História do Quarto de Milha no Brasil

A história do Quarto de Milha no Brasil começa em 1955, mas a raça começa bem antes disso. Por volta dos anos 1.600, criados dos Estados Unidos começaram a misturar várias raças de origem espanhola e inglesa para criar seus cavalos de corrida. Como dispunham de pouco espaço, essas corridas era realizadas em espaços de 400 metros (1/4 de milha). Eis então o batismo da primeira raça genuinamente americana. Voltando ao Brasil, quando o Swift-King Ranch (SKR) fez sua primeira importação, vieram seis animais da maior matriz norte-americana, a King Ranch. Pecuaristas, banqueiros e homens de negócios logo conheceram a linhagem e quiseram comprar. Um número reduzido de potros foram vendidos, atendendo a um grupo seleto de pessoas. Com o passar dos anos, outras importações foram realizadas e o plantel do Quarto de Milha cresceu, se tornando um dos mais importantes no país.

Pelagens Oficiais

• Alazão
• Alazão Tostado
• Baio
• Baio Amarilho
• Castanho
• Cremelo

• Lobuno
• Perlino
• Preto
• Rosilho
• Tordilho
• Zaino

O regulamento da ABQM dispõe que cruzamento entre alazães sempre originará alazães; enquanto se um dos pais for tordilho, o filho será tordilho. Os animais podem ter áreas de pelos brancos localizadas, aparecendo em um ou mais membros. Porém, não devem ultrapassar 10 cm² da área total do corpo. Nos membros anteriores, não podem haver manchas brancas abaixo dos joelhos. Já nos membros posteriores a tolerância é até a altura do jarrete. Na cabeça, os limites estabelecidos vão da orelha até o canto da boca e, na parte inferior, até a linha do cabresto.